Procure

Estudo Maldição hereditária - quebrada na cruz ou não?


         O Antigo Testamento fala da origem, da causa e da aplicação das maldições. O Novo Testamento ensina como são quebradas.
         Escritores neotestamentários tratam a quebra das maldições como uma obra consumada por Cristo na Cruz. Não há evidências claras em suas páginas de rituais feitos com o fim de cancelar algum tipo de carma familiar.
         Nada consta, no Novo Testamento, que nos leve a acreditar que pecados familiares transmitam aos descendentes algum tipo de efeito residual. Meus pecados seriam espoletas de uma bomba que um dia esplodirá no baú de meus descendentes, ainda que não cometam os mesmos erros. A responsabilidade deixa de ser individual e passa a ser familiar.
         Este tipo de crença já havia penetrado na Igreja Primitiva. Paulo denunciou a existência do batismo pelos mortos em Corinto (1Co 15). Farinha de cor diferente, mas procedente do mesmo saco teológico. Quem pratica a quebra de maldições acredita que mortos amaldiçoam vivos, enquanto os adéptos do batismo pelos mortos crêem que vivos abençoam quem já morreu.
         Dá para notar que toda esta variedade doutrinária caminhou paralela ao Corpo de Cristo desde o início, mas agora parece que foi finalmente incorporada. O resultado é que o Corpo, luta contra o risco de uma infecção sistêmica provocada pela ação de virus, bactérias, fungos e protozoários doutrinários.
         Hoje temos muitas dúvidas em torno de muitos assuntos, e não consigo, na minha força, extinguir todas estas espécies de uma só vez. Este pequeno estudo baseado em Deuteronômio 28, mostra, entre outras coisas, que a origem da maldição é Deus e não o diabo. Sendo assim, lúcifer jamais deveria ENTRAR em um processo onde deveria estar só de SAÍDA.
 
  • A causa da maldição é a desonediência.

''... se não deres ouvidos à voz do SENHOR, teu Deus, não cuidando em cumprir todos os seus mandamentos e os seus estatutos que, hoje, te ordeno, então, virão todas estas maldições sobre ti e te alcançarão'' (Dt 28.15).

  • A fonte da maldição é Deus e não o diabo.

''O SENHOR mandará sobre ti a maldição, a confusão e a ameaça em tudo quanto empreenderes, até que sejas destruído e repentinamente pereças, por causa da maldade das tuas obras, com que me abandonaste'' (Dt 28.20).

  • A maldição pode ser aplicada por diversos agentes.

Pelos filhos e pelo fruto do trabalho:

 
Maldito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas (Dt 28.18).

Por Deus pessoalmente.

 
''O SENHOR fará que a pestilência te pegue a ti, até que te consuma a terra a que passas para possuí-la'' (Dt.28.21).

Por fenômenos da natureza:

 
''Os teus céus sobre a tua cabeça serão de bronze; e a terra debaixo de ti será de ferro'' (Dt 28.23).

Por animais:

 
''O teu cadáver servirá de pasto a todas as aves dos céus e aos animais da terra; e ninguém haverá que os espante'' (Dt 28.26).

Por agentes sobrenaturais:

 
''O SENHOR te ferirá com loucura, com cegueira e com perturbação do espírito'' (Dt 28.28).

Pela cônjuge adúltero:

 
''Desposar-te-ás com uma mulher, porém outro homem dormirá com ela'' (Dt 28.30).

Pelos inimigos:

 
''O teu boi será morto aos teus olhos, porém dele não comerás; o teu jumento será roubado diante de ti e não voltará a ti; as tuas ovelhas serão dadas aos teus inimigos; e ninguém haverá que te salve'' (Dt. 28.31).

Por insetos:

 
''Todo o teu arvoredo e o fruto da tua terra o gafanhoto os consumirá'' (Dt 28.42).

Por desconhecidos:

 
''O estrangeiro que está no meio de ti se elevará mais e mais, e tu mais e mais descerás. Ele te emprestará a ti, porém tu não lhe emprestarás a ele; ele será por cabeça, e tu serás por cauda'' (Dt. 28.43,44).

Por nações:

 
''O SENHOR levantará contra ti uma nação de longe, da extremidade da terra virá, como o vôo impetuoso da águia, nação cuja língua não entenderás'' (Dt. 28.49). 

CONCLUSÃO: Não foi com ouro, prata ou rituais que fomos resgatados do vão procedimento que recebemos de nossosa pais, mas pelo precioso Sangue de Cristo derramado na Cruz (1Pd 1.8). O pecado continua trazendo as suas consequências para quem o pratica, mas quem o confessa e deixa, alcançará misericórdia (Pv 28.13).

Autor: Pastor Ubirajara Crespo