Procure

Estudo Bíblico Guerra Espiritual


"No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos."   Efésio 6.10-18

       O texto de Paulo a Efésios tem sido a base mais usada pela maioria dos crentes quando o assunto é a guerra espiritual contra as hostes de Satanás. Eles são os nossos inimigos como demonstrado no verso 12, e não corpo ou alma de humanos. Ainda que estes possam ser instrumentos do inimigo, nossas armas devem ser direcionadas para o alto. Esse assunto é o ponto mais forte do texto e vem sendo exaustivamente pregado. Não vou tratar do mesmo ponto.

Chamam a atenção neste texto três coisas:

  • A procedência de nossa força;
  • A maior das armas do inimigo;
  • As nossas armas;

1- O SENHOR, A nossa força

       Nossa força vem do Senhor. Isso é sabido da maioria dos cristãos. Aqueles que ainda buscam extrair de si mesmo as forças no combate espiritual, ou a sabedoria, ou o poder, ou a auto-determinação, ou a força de vontade para se superar no combate contra o inimigo devem urgentemente se converter, pois ainda não conheceram o que "arrepender e crer no evangelho" significa. O passo fundamental que precede a conversão é a DESILUSÃO com o ser humano. Isto significa PERDER AS ILUSÕES sobre nossas capacidades e poderes. Nossa auto-determinação ou capacidade de auto-ajuda são ABSOLUTAMENTE NADA.
 
"Mas tu, SENHOR, não te alongues de mim. Força minha, apressa-te em socorrer-me" (Salmo 22:19)
 
       Em termos muito práticos devemos confiar em duas coisas diante do inimigo: No poder e na palavra do nosso Deus. Não confiemos em nossos sentimentos, o que achamos ou pensamos. Lembre-se: em confronto espiritual, lembre-se de que você nada sabe, nada além de Cristo, e Cristo crucificado. (1 Cor 2:2). Você nada pode, pois é o Espírito quem opera em nós o querer e o fazer (Fp 2:13).

2- Ciladas: A maior das armas do Inimigo

       Observem que normalmente a ênfase do texto de Efésios é dada às nossas armas e esquecemos de olhar as armas do inimigo. As "astutas ciladas do inimigo" são o motivo principal da existência de nossa armadura de crentes.
       Ciladas significam armadilhas. Astutas ciladas significam armadilhas sabiamente montadas.
       A maior das armadilhas do inimigo consiste em nos fazer pensar que podemos e sabemos algo. Foi esta a armadilha usada contra a Varoa, no Gênesis. "como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal" (Gn 3:5). O diabo quer nos convencer de que podemos ser como Deus e que portanto, temos tudo em nossas mãos.
        Mas a sagacidade (astúcia) do nosso inimigo vai bem além. Ele é acusador. Sabe que não somos Deus. Mas depois de nos fazer confiar em nós, apressa-se em criar condições para que venhamos ser surpreendidos em transgressões causadas pela nossa auto-confiança. Essa transgreção lhe dará direito jurídico de nos acusar. Acusando-nos, ele nos desarma, pois nos atribui culpa. E o dardo inflamado do diabo atinge-nos, por que a culpa é a base para a destruição de nossa fé.
       Não confunda arrependimento com culpa. Arrepender é a decisão do homem contrito em buscar a Deus por saber-se incapaz de alcançá-Lo. Culpa é o remorso daquele que se vê desamparado por que confiou em si mesmo e agora não tem a quem recorrer, a não ser arrependendo-se.

Exemplos práticos:

  • O crente que viola os limites de velocidade de uma estrada, ou dirige imprudentemente em alta velocidade pelo acostamento, está confiando em si, em carros ou cavalos (ver Salmo 20:7). Ao pisar fundo no acelerador o crente já caiu na cilada do diabo. A sua astúcia o convenceu de que ele é capaz de se livrar pelos reflexos, destreza ou juventude.
  • O crente que se acha bom e justo terá dificuldades de pedir perdão ou perdoar. Isso elimina a comunhão na igreja e impede o fluir da bênção pela liberação do AMEM que liga na Terra o que está ligado nos céus. A astúcia do inimigo está na cilada de nos convencer de que somos bons e justos, e portanto não precisamos receber perdão, ou pedir perdão.
  • O crente que por um momento desejou a mulher do próximo e confiou em si para debelar o desejo, caiu na cilada do diabo. Pois este o convenceu da sua capacidade de controlar a cupidez. No primeiro instante em que o crente der um sinal de falha, o inimigo o acusará em público e a situação poderá destruir a comunhão na igreja.
  • O relativismo moral é a maior armadilha do diabo. Tudo é normal. Os que se conformam (adotam a forma) do mundo e aceitam sem crítica, valores e práticas mundanas caíram na cilada. Achamos normal cantarmos músicas do "Tchan" por que todos cantam. Já caímos na cilada por que já nos tornamos juízes de nossos pensamentos. Nós julgamos se é bom ou mal. O juiz e Rei em minha vida não é mais Jesus, mas EU mesmo. Há um Senhor e Deus, e Rei. A Ele pertence a glória e o poder, principalmente sobre nossa vida e pensar.

3) Nossas armas

  • O cinturão da verdade
        Com ele devemos cingir nossos lombos. A verdade é absoluta. Jesus é a verdade. Não há relativismo moral quando existe a verdade. Se a verdade existe e ela aponta o nosso erro, não interessará o que penso ou deixo de pensar a respeito. Se uma música do Tchan invoca nomes de outros deuses e o nosso Senhor detesta a idolatria, não deveremos invocar tais nomes. E ponto final. Sem "jeitinhos", sem concessões.
       Não pretenda ser o dono da verdade. Deixe que Jesus o seja.

  • Couraça da Justiça
       Fundamental entendermos que a justiça vem de Deus. Ele nos justifica e nos faz justos, mediante o sangue de Jesus derramado na cruz. Devemos sempre ter em mente de que estamos, por natureza, errados, sempre. Mas Jesus amorosamente nos permite comparecer diante do pai, nos justifica e nos aprova diante dEle. Acobertados pela justiça que Jesus nos derramou, não podemos ser acusados ou culpáveis. Não há culpa. Arrependa-te do teu erro, irmão. Mas rejeite o inútil sentimento de culpa, meu irmão. Tome a couraça da justiça.

  • Botas da preparação do evangelho da paz
       O termo "preparação", comparado a traduções em outras línguas [Zèle (fr), apresto (esp.), readiness (ing-NIV), bereit (ale.)] pode ser melhor entendido como "prontidão". Ou seja, Paulo nos recomenda que estejamos com a prontidão do evangelho da paz. Portanto, o bom combatente do Senhor é aquele que não retarda ou adia o combate, usando o evangelho como recurso para caminhar. É o evangelho quem nos dá a prontidão e nos protege contra o pó da terra, que simbolicamente é a carne, do qual o homem foi feito.

  • Capacete da salvação
       O diabo tem uma predileção em atingir sobretudo os novos na fé, colocando-lhes dúvidas quanto a certeza de sua salvação. Aquele que confiou na palavra de Jesus e nos seus ombros colocou o peso de sua vida está salvo. Por causa da fidelidade da palavra dEle. Não interessa o quão você está (in)seguro ou o que você sente a respeito desta realidade espiritual. Se a palavra dEle nos assevera a salvação, NADA A REVOGARÁ.

  • A espada do Espírito, a palavra
       Esta é a nossa principal arma de ataque. Todas as demais armas são defensivas. A forma como você coloca o diabo para correr é invocando a palavra de Deus. Jesus venceu o diabo usando a palavra do Senhor. Ele era a própria palavra, o verbo, encarnado. Em uma situação de cilada do diabo, use a palavra do Senhor contra o teu inimigo. Distinga-o primeiramente (teu alvo não são as pessoas, nem sangue nem carne!). Repreenda-o usando a espada do espírito. Não preste a atenção no que ele vier a dizer. Não dialogue com ele. Faça como Ezequias diante de Senaqueribe. Coloque diante do pai o que ele disse e o Senhor lhe dará a palavra contra o inimigo, e o humilhará, e o fará voltar pelo caminho de onde veio (Is 37:29).

  • Sobretudo o escudo da fé
       É o escudo da fé quem apaga os dardos inflamados do diabo. Ele é quem te dá a proteção contra o acusador de nossas almas. A fé não é o que você sente ou pensa. Mas a certeza na palavra do Pai. Por que Ele o disse. Mesmo que você tenha dúvidas no coração, sustenta-te na palavra dEle, pela simples razão de que Ele DISSE. É contra a fé que o diabo lança a maioria das ciladas. Muitas vezes, a astúcia do diabo não está em tirar a fé que você tem em Jesus, mas em colocar outra coisa (ou você mesmo) como centro e alvo de tua fé. ATENÇÃO PARA ISSO.
       O exercício desta batalha espiritual passa pelo exercício da fé, da justiça procedente de Deus, da verdade, da prontidão do evangelho, da verdade, da palavra. Esses seis componentes da armadura (6 é o número do homem) feita para nós são complementados pela prontidão de um soldado (perseverança) e pelo sentido de corpo (intercessão pelos santos), sem os quais nenhum Exército subsiste.
       Não te turbes. JESUS É O SENHOR DOS EXÉRCITOS

Livro "Como enfrentarmos la Reina de los Cielos"

 
Autor:  Desconhecido