Procure

Vinho Novo

Lucas 5:33–39


“Disseram-lhe eles: Os discípulos de João jejuam freqüentemente e fazem orações, como também os dos fariseus, mas os teus comem e bebem.
Respondeu-lhes Jesus: Podeis, porventura, fazer jejuar os convidados às núpcias enquanto o noivo está com eles? Dias virão, porém, em que lhes será tirado o noivo; naqueles dias, sim hão de jejuar.
Propôs-lhes também uma parábola: Ninguém tira um pedaço de um vestido novo para cosê-lo em vestido velho; do contrário, não somente rasgará o novo, mas também o pedaço do novo não condirá com o velho. E ninguém deita vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho novo romperá os odres e se derramará, e os odres se perderão; mas vinho novo deve ser deitado em odres novos. E ninguém, tendo bebido o velho, quer o novo; porque diz: O velho é bom.”  Lucas 5.33-39

         O interesse de Deus naqueles dias assim como nos dias de hoje, não era que as pessoas simplesmente jejuassem e orassem, ou cumprissem quaisquer outros rituais, mas que a cada um reconhecesse que Jesus é o Senhor, o Messias, o Ungido de Deus, o Cordeiro Santo de Deus que tira o pecado do mundo, o Noivo.
         Infelizmente muitos daqueles que viviam na época de Jesus, não se renderam a Ele, apenas continuaram a cumprir seus ritos religiosos. Deus estava fazendo algo novo naqueles dias. Jesus veio introduzir uma nova maneira de viver, que não combina com o legalismo religioso.
         A veste nova e o vinho novo se referem a esta nova vida que Jesus veio trazer. Imagine só, se você toma um pano novinho e costurá-lo como remendo para uma roupa velha. Com certeza o peso do pano novo rasgaria a roupa velha ainda mais, não é mesmo? Não daria certo.
         Da mesma forma é a vida no Espírito. Ela não pode andar em conjunto com a vida na carne. Tem que ser tudo novo. Não é possível andar no Espírito e ao mesmo tempo satisfazer a nossa própria vontade (Gálatas 5:16).
         Quando o vinho é novo, às vezes, seu sabor, não é tão agradável quanto o sabor do vinho já envelhecido. Assim, a vida no Espírito, pode nos levar a fazer e viver coisas com as quais não estamos acostumados.
         Foi um escândalo para os judeus religiosos, quando Jesus entrou no templo e começou a “virar as mesas” dos que vendiam; foi um escândalo para os judeus, ver Jesus “violando” o sábado para curar um homem com a mão ressequida; foi um escândalo quando Jesus tocou o leproso, conversou com a prostituta, tocou caixão de um morto, e quando Ele andou com os pecadores. Todas essas coisas e outras que Jesus fez, eram consideradas escândalo, falta de reverência de acordo com os religiosos.
         Mas Jesus não estava interessado na justiça dos homens, Ele estava interessado em fazer a vontade do Pai, seguindo o Espírito Santo. Jesus disse a Nicodemos em João 3:8
 
“O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito”  João 3:8

         Para ser guiado pelo Espírito Santo é preciso ser livre de toda e qualquer amarra e preconceitos. É preciso estar disposto a perder a sua própria vida e reputação.
         Jesus disse que o vinho novo (vida no Espírito) só pode ser colocado dentro de odre novo. O odre era um recipiente feito com a pele de animais, dentro do qual se colocava o vinho, para que ele fermentasse. O vinho, quando é novo, passa por um processo de fermentação e começa a se expandir, ou seja, crescer em volume. O odre novo é capaz de se esticar, se expandir junto com o vinho, ele é maleável. Mas se o vinho novo for colocado dentro de um odre que já foi usado anteriormente, ou seja, que já tenha sido esticado até o seu limite máximo, o odre se rasgará.
         Para viver a vida de Jesus, sendo guiado pelo Espírito de Deus, é necessário ser maleável à vontade de Deus, é necessário estar disposto a ultrapassar as barreiras da religiosidade, do legalismo, daquilo que pensamos com nossa mente carnal e limitada. É necessário estar disposto a abrir mão de seus próprios interesses por amor à Cristo.
         Precisamos ser como odres novos, para o espírito santo fazer em nós e através de nós o que for a sua vontade.

Autor: Nívea Soares