Procure

Unção de Deus


Texto Base: “E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre Ele.” (Mt 3:16)

Quando lemos este texto observamos a humildade de Jesus, com certeza Ele não precisava ser batizado. Mais adiante notamos que Ele não foi só batizado, mas jejuou e sempre foi exemplo na oração. Vocês acham que Jesus precisava ser batizado, orar e jejuar? É claro que não! Ele é o próprio Deus! Porque, então, Ele se propôs a fazer isto? Sabemos que a Bíblia, desde o início revela a vida do Messias, Jesus Cristo. Assim sendo, era necessário que, de fato, Jesus viesse e cumprisse tudo o que antes fora dito sobre Ele, porque Deus havia revelado aos seus servos e isso foi deixado para que nós, hoje, pudéssemos ler e crer. Mas Ele como Deus poderia simplesmente não aceitar e mudar o ciclo da história.

Por que Ele não fez isso? Mesmo sendo o criador de todas as coisas, se esvaziou de si mesmo e se colocou como homem para que pudesse sentir as nossas necessidades, pois como nosso advogado, não só observou a nossa causa, mas viveu e conviveu com as nossas necessidades. Quando o Nosso Senhor Jesus Cristo foi batizado e, ao sair da água, os céus se abriram e o Espírito Santo desceu sobre Ele. Através desta unção, Ele pregou, curou, libertou e venceu o pecado. Morreu e ressuscitou para que hoje eu e você pudéssemos estar aqui. Mesmo sendo Ele Deus, não deixou de se santificar através da oração e jejum, ou seja, Ele era totalmente dedicado ao Pai que lhe enviou.

Mais tarde na Sinagoga, leu Isaías 61:1 “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vistas aos cegos, a por em liberdade os oprimidos, anunciar o ano aceitável do Senhor.” (Lc 4:18-19).

Após o terminar de ler As Escrituras, foi desprezado, ou seja, o povo apesar de ver e reconhecer a unção e o poder que fora dado a Ele o rejeitou. Mesmo sendo desprezado Ele, Jesus, continuou pregando, curando, libertando porque sabia quem Ele era independente dos outros acreditarem ou não. Até que chegou o tempo em que as pessoas não podiam mais suportar a presença de Jesus e satanás os incitavam para que o crucificassem, o que eles não sabiam é que nem mesmo a morte poderia detê-lo e Ele ressuscitou e vivo está. Jesus sabia que sem a unção do Espírito Santo não era possível os seus discípulos fazerem a obra que ele havia começado, tanto que em At 1:8 “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra.”

Sem a ação direta do Espírito Santo, milagres não acontecem. Mas como o Espírito Santo vai habitar em nós se não houver Santificação? Se hoje queremos mais é aproveitar o que o mundo tem a nos oferecer do que aquilo que Deus tem para nos dar. Atualmente não se fala mais em jejum. A oração é um ministério, ou seja, muitos de nós achamos que são as intercessoras que têm a obrigação de orar em nosso favor e da Igreja. Quando estamos em dificuldades, ao invés de orarmos para que Deus possa intervir, pedimos a intercessora e pedimos a ela o que era para nós estarmos fazendo. É mais fácil, mais cômodo não precisamos fazer mais nada! Só esperar. Meus irmãos! Jesus quando morreu rasgou o véu que nos separava de Deus.

Hoje nós temos acesso livre ao Pai por Jesus Cristo! Não oramos, não lemos a bíblia, não jejuamos, não vamos ao culto (só vamos quando existem irmãos com dons de revelação) e muitas vezes saímos sem que Deus tenha revelado nada. Mesmo assim achamos que se nos colocarmos a frente de um irmão com referidos dons Deus vai nos ver e usá-lo para falar conosco. Isso é muito bom, mas não é o que Deus quer para nós. O que Ele deseja é que sejamos obediência e reverência para com Ele, que tenhamos um coração puro, pois este coração Ele não rejeita. Bênçãos e milagres são muito bons, mas a maior bênção e milagre nós já recebemos e não damos o devido valor. Como o Espírito Santo vai habitar em um corpo corrupto, mentiroso, com a boca suja?

Não podemos, segundo as escrituras, servir a dois deuses, pois ou agradaremos um e negligenciaremos o outro. É necessário santificação, pois, sem ela, é impossível agradar a Deus. Jesus nos ensina a vigiar, orar e jejuar para não cairmos em tentação. Se Ele, Jesus, sendo filho de Deus se santificou imagine nós! Não se iluda Deus não vai te usar de qualquer maneira. Se você não se santifica e acha que está sendo usado por Deus, cuidado! O Diabo veio para matar, roubar, nos enganar, destruir, etc., a Palavra nos diz que pelos frutos se conhece a árvore. Comece a questionar suas atitudes, sua maneira de viver e abra os teus olhos enquanto há esperança. Cuidado satanás pode está te enganando, ai você pergunta: mas Deus vai deixar? Eu te respondo: vai sim! Porque você não quer pagar o preço.

Para ser um vaso ungido por Deus, você tem que descer a casa do oleiro, deixar ele te quebrar e te moldar da maneira que Ele quer. Isso ninguém quer porque dói, e dói muito. Você tem que morrer para as coisas do mundo e viver para Deus. Cristo tem que ser o centro da sua vida, as suas necessidades e alegrias tem que estarem alicerçadas em Cristo, pois os sinais seguirão aos que crêem. Para sermos usados pelo Senhor é necessário que a nossa vida esteja no altar. Existe muito “fogo estranho” em nosso meio, e por amor a Jesus e misericórdia por nós, não somos consumidos. É hora e tempo de pedirmos ao nosso Deus que abra os nossos olhos e ouvidos espirituais para ver e entender qual é a sua vontade. Melhor seria estarmos sentados no banco do que estar a frente de uma platéia, pois quando chegar aquele grande dia não ouvirmos “afastai-vos de mim pois não vos conheço”.

Neste momento não haverá argumentos, “preguei e curei em teu nome”, nada vai adiantar. Preocupa-nos mais em estarmos no centro das atenções e muitas vezes deixamos a nossa salvação de lado. “Em todo o tempo sejam alvas as tuas vestes e nuca falte o óleo sobre a tua cabeça”. (Ec 9:8)
 
Autor: Simone Nicolay de ASlencar