Procure

Estudo Bíblico Três Passos Para a Felicidade


Vamos meditar nesta oportunidade no livro dos Salmos 128

Você é feliz ou está feliz? Uma das maiores buscas humanas é a felicidade. Muitos a encontram somente por alguns instantes, outros têm o prazer de conservá-la por toda sua vida. Mas qual é o caminho para a felicidade e o que é, de fato, ser feliz? Tente refletir um instante acerca de si mesmo, sem máscaras, com sinceridade e honestidade procurando encontrar respostas a estas questões. Felicidade é a plenitude do prazer e bem estar em toda e qualquer situação. 

Mas como alcançar este estágio? O que a vida pode oferecer que possa levar homens e mulheres de todas as faixas etárias a serem plenamente felizes?

No salmo 128 o salmista destaca as áreas da vida que precisam da nossa atenção e prioridade para que possamos desfrutar as bênçãos que o Senhor tem para aqueles que o temem e buscam viver de acordo com a sua santa e soberana vontade.

A devida consideração para com o Criador é demonstrada quando a pessoa anda nos caminhos dele, adotando o proceder delineado por ele e acatando as suas ordens. Quando as pessoas aderem à lei divina, não desperdiçam os seus recursos, mas administram seus assuntos de modo sábio e fazem trabalho bom e de qualidade.

Por isso, com a bênção de Deus, usufruem as provisões pelas quais trabalham, e são realmente felizes e estão seguras.

A esposa do homem que teme a Deus é comparada a uma videira frutífera. A videira precisa de alguma espécie de apoio, tal como uma estaca.

Do mesmo modo, tirando proveito do bom apoio de seu marido e sendo mãe de seus filhos, a esposa é como uma videira frutífera, feliz e contente de cumprir com seus deveres na parte mais recôndita do lar.

Os filhos do casal feliz são comparados a mudas de oliveira. Brotos ou mudas tiradas duma árvore crescida muitas vezes são usados para iniciar novas árvores.

Também, a árvore adulta pode lançar rebentos de suas raízes, perpetuando-se assim. Iguais a rebentos de oliveira, os filhos cercam o pai, contribuindo com a sua parte para a felicidade da família.

Quando este salmo foi escrito, a arca sagrada do pacto, representando a presença de Deus, encontrava-se no monte Sião.

Portanto, visto que o Altíssimo morava ali de maneira representativa, podia-se dizer que todas as bênçãos provinham de Sião ou Jerusalém.

Já que Jerusalém era o centro da adoração verdadeira, o bem-estar dos israelitas individuais estava intimamente associado com o bem-estar de Jerusalém. De modo que era do proveito da pessoa ver o bem de Jerusalém em todos os dias de sua vida — uma vida longa, que o habilitaria a ver seus netos.

A felicidade pela obediência à lei de Deus não se restringia aos israelitas individuais. Podia ser usufruída pela nação inteira, se fosse obediente. O salmista termina assim apropriadamente com a expressão em forma de oração: “Haja paz sobre Israel.” (Sal. 128:6) Sim, que o povo de Deus tenha paz e segurança em todas as ocasiões.

Se quiser ter a espécie de felicidade mencionada no Salmo 128, considere a Bíblia com cuidado e deixe-se guiar pelas suas orientações. Confirme pela sua própria experiência que a verdadeira felicidade vem da obediência à lei de Deus.

Apesar de desagradáveis, a morte e o sofrimento são fatos da vida. Jó tinha razão ao dizer: “O homem, nascido de mulher, é de vida curta e está empanturrado de agitação.” — Jó 14:1.

A Bíblia promete um novo mundo onde ‘morará a justiça’. (2 Pedro 3:13; Revelação [Apocalipse] 21:3, 4) No entanto, antes que tais condições sejam estabelecidas, a humanidade tem de passar por um período de maldades sem precedentes. A Bíblia diz: “Sabe, porém, isto, que nos últimos dias haverá tempos críticos, difíceis de manejar.” — 2 Timóteo 3:1.

Esses tempos difíceis vão durar muito? Os discípulos de Jesus fizeram praticamente a mesma pergunta, mas Jesus não lhes disse nem o dia nem a hora específicos a respeito de quando acabaria o atual sistema cheio de sofrimento.

Em vez disso, ele disse: “Quem tiver perseverado até o fim é o que será salvo.” (Mateus 24:3, 13) As palavras de Jesus nos incentivam a ter uma visão de longo alcance. Precisamos estar preparados para suportar muitas situações tristes antes que o fim venha.

Faz sentido, então, zangar-se com Deus visto que ele permite o sofrimento? Não, quando se leva em conta que ele prometeu acabar com todo o sofrimento.

Faz menos sentido ainda crer que Deus é o causador de todas as coisas ruins. Muitos acontecimentos trágicos são o simples resultado de eventos aleatórios. Imagine, por exemplo, que um vento forte faz cair uma árvore, que acaba machucando alguém. As pessoas talvez atribuam isso a Deus.

Mas não foi Deus quem fez aquela árvore cair. A Bíblia nos ajuda a entender que essas coisas são apenas a triste conseqüência da ação ‘do tempo e do imprevisto’. — Eclesiastes 9:11.

O sofrimento também pode ser o resultado da falta de bom senso. Suponhamos que um grupo de jovens se excedam em bebidas alcoólicas e depois saiam de carro. Daí, acontece um grave acidente. De quem é a culpa? De Deus? Não, eles colheram as conseqüências da falta de bom senso. — Gálatas 6:7.

“Mas Deus não é poderoso o suficiente para acabar com o sofrimento agora?”, talvez seja essa sua próxima pergunta. Alguns homens fiéis nos tempos bíblicos também queriam saber isso. O profeta Habacuque perguntou a Deus: “Por que olhas para os que agem traiçoeiramente, calando-te quando o iníquo engole aquele que é mais justo do que ele?” No entanto, Habacuque não tirou conclusões precipitadas. Ele disse: “Vou ficar postado sobre o baluarte e estarei vigiando para ver o que ele há de falar por mim.” Mais tarde, Deus garantiu a ele que acabaria com o sofrimento no “tempo designado”. (Habacuque 1:13; 2:1-3) Devemos, portanto, ser pacientes e esperar que Deus acabe com a maldade no tempo designado dele.

Evite tirar conclusões precipitadas de que Deus de alguma forma quer que soframos ou que ele está nos testando. É verdade que o sofrimento pode trazer à tona nossas melhores qualidades e, segundo a Bíblia, as provações que Deus permite que passemos podem refinar nossa fé. (Hebreus 5:8; 1 Pedro 1:7) De fato, muitas pessoas que tiveram experiências traumáticas e aflitivas se tornaram mais pacientes e mais compassivas. Mas não devemos concluir que o seu sofrimento foi causado por Deus. Esse tipo de pensamento não leva em conta Seu amor e sabedoria.

A Bíblia explica de modo bem claro: “Quando posto à prova, ninguém diga: ‘Estou sendo provado por Deus.’ Pois, por coisas más, Deus não pode ser provado, nem prova ele a alguém.” Ao contrário, de Deus vem “toda boa dádiva e todo presente perfeito”! — Tiago 1:13, 17.

De onde, então, vem a maldade? Não se esqueça de que Deus tem adversários — principalmente “o chamado Diabo e Satanás, que está desencaminhando toda a terra habitada”. (Revelação 12:9) Deus colocou nossos primeiros pais, Adão e Eva, num mundo sem problemas, mas Satanás convenceu Eva de que ela se sairia melhor sem o domínio de Deus. (Gênesis 3:1-5) Infelizmente, Eva acreditou nas mentiras de Satanás e desobedeceu a Deus, sendo seguida por Adão nessa rebelião. Qual foi o resultado? “A morte se espalhou a todos os homens”, diz a Bíblia. — Romanos 5:12.

Em vez de acabar com essa rebelião de uma vez por todas, destruindo Satanás e seus seguidores, Deus achou melhor conceder um tempo. O que isso revelaria? Uma das coisas é que desmascararia Satanás como mentiroso.

Também, haveria provas de sobra de que procurar ser independente de Deus só traz desgraça. Não foi exatamente isso o que aconteceu? “O mundo inteiro jaz no poder do iníquo.” (1 João 5:19) Além disso, “homem tem dominado homem para seu prejuízo”.

(Eclesiastes 8:9) As religiões da humanidade são um emaranhado de ensinos conflitantes. A moral decaiu a um patamar sem precedentes. Os governos humanos vêm tentando toda forma de sistema político. Assinam acordos e formulam leis, mas as necessidades do povo ainda não foram satisfeitas. As guerras aumentam o sofrimento.

É óbvio que precisamos da intervenção divina para acabar com a maldade! Mas isso vai acontecer apenas no tempo determinado por Deus. Até lá, é nosso privilégio apoiar Seu reinado por obedecer às suas leis e aos princípios especificados na Bíblia. Quando coisas ruins acontecem, podemos derivar consolo da esperança de vida num mundo onde não haverá problemas.

Vejamos agora quais são “Os três passos para a felicidade”:

1- ANDAR NOS CAMINHOS DO SENHOR

“Bem aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos!” (v.1).

Para termos uma vida equilibrada, precisamos em primeiro lugar: temer ao Senhor, pois não conseguiremos o equilíbrio se não dependermos d‘Ele. A felicidade que procuramos será alcançada através do temor ao Senhor, pois Ele é o verdadeiro manancial de felicidade

O salmista afirma que aquele que teme ao Senhor é feliz (bem-aventurado). Mas não basta temer, respeitar e crer em Deus, mas precisamos também trilhar os Seus caminhos. Muitos tropeçam porque não querem andar nos caminhos traçados por Deus

Decida hoje temer ao Senhor e andar em Seus caminhos procurando equilibrar a sua vida na obediência à Palavra de Deus, pois, ao priorizar isto você será verdadeiramente bem-aventurado. 

2- TER UMA FAMÍLIA FELIZ E ABENÇOADA

“Tua esposa, no interior de tua casa, será como a videira frutífera; teus filhos, como rebentos da oliveira, à roda da tua mesa”. (v.3). 

O salmista diz que aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos terá uma família feliz e abençoada. A mulher será com uma videira frutífera que produz uvas; que produz vinho; que produz alegria. A felicidade em família depende também da nossa atitude diante da vida

Os filhos são como as plantas de oliveira que produzem o azeite, símbolo da unção, presença e comunhão do Espírito Santo de Deus. A expressão “à roda da tua mesa” fala da comunhão que deve ser priorizada por aqueles que querem experimentar a felicidade em sua vida.

Não permita que a televisão, a internet, o trabalho exagerado, etc. roubem os momentos de comunhão com a sua família, pois jamais conseguiremos transmitir para a nossa família a comunhão que temos com o Senhor se não desfrutarmos de momentos de comunhão com ela.

3- VIVER EM COMUNHÃO COM A IGREJA

“O SENHOR te abençoe desde Sião, para que vejas a prosperidade de Jerusalém durante os dias de tua vida” (v.5).

No Salmo, as cidades de Sião e Jerusalém representam a igreja de Jesus que é formada por famílias que formam a grande família de Deus (“Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus” - Ef 2.19) e, se a nossa família for saudável, a Igreja do Senhor Jesus também será uma família saudável e vice-versa.

Muitos hoje estão correndo atrás das bênçãos esquecendo-se de priorizar os caminhos do Senhor e a sua família. A bênção e a prosperidade só serão alcançadas quando conseguirmos entender que a igreja é também a nossa família e deve ser também priorizada em nossa vida.

Priorize a igreja em sua vida congregando regularmente e participando das atividades e celebrações, pois a igreja foi criada por Jesus para viver em comunhão com Ele, ligada e ajustada como um corpo vivo esperando a sua iminente volta (“Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima” - Hb 10.25).

DEUS PRECISA SER AMADO ACIMA DE TODAS AS COISAS.

Nosso tempo exige tanto de nós, que se torna perigo esquecermos da vida com Deus. Encontramos tantos impedimentos, que precisamos considerar e dar prioridade à comunhão com Deus. Do contrário nossa vida se torna superficial, jamais alcançaremos um nível elevado. Para que isso aconteça precisamos colocar em segundo plano tudo nesta vida. É buscarmos a Deus como prioridade. Jesus nos ensinou esse princípio Bíblico. 

A comunhão pessoal, não depende de oportunidade temos procurar achar tempo momento adequado.

Não é por acaso que o mandamento por excelência já nos ordena, amar a Deus sobre todas as coisas. Para ter comunhão é preciso viver esse mandamento. Muitos cristãos dizem que ama a Deus, mas notamos que é somente de lábios.

A evidência de amar a Deus, se baseia e manifesta no desejo de amá-lo. Como temos expressado nossa comunhão, é até fácil dizer que temos comunhão, difícil é convencer a Deus, quando nosso amor e busca está em outras coisas banais. Nosso tempo de vida é gasto naquilo que não edifica espiritualmente. Tanto amar a Deus e viver em comunhão com Ele é uma ordem intransferível. Dt. 11:1, Mc 12:30, Sl. 116;1

Se você deseja a verdadeira felicidade então faça estas três coisas: 

A. Ande nos caminhos do Senhor;
B. Tenha uma família feliz e abençoada 
C. Viva em comunhão com a igreja

Que Deus nos abençoe e nos guarde em nome de Jesus, amém!
|  Autor: Jânio Santos de Oliveira  |  Divulgação: estudosgospel.Com.BR |