Procure

Restituindo a Pérola de Um Coração Grato

Lucas 17.11-19


INTRODUÇÃO

Se há uma doença comum a toda a raça humana esta é a da ingratidão. Infelizmente, por causa da natureza pecaminosa, o homem não consegue ser grato. Gostamos de receber e não de dar. O pouco que realizo divulgo demais e o muito que recebo sempre esqueço.

Um brocardo popular diz: "Há três categorias de homens mal agradecidos: os que calam os favores recebidos; os que cobram os favores prestados e os que se vingam".

1. O DIAGNOSTICO DA INGRATIDÃO

A Ingratidão é uma doença espiritual. É a expressão máxima da pecaminosidade humana, refletindo a sua rejeição ao único Deus verdadeiro: "…porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato" (Rm 1.21). A frase não lhe deram graças é a conseqüência da rejeição consciente do homem a Deus, deixando de reconhecer os Seus atributos principais: eternidade, poder, sabedoria, bondade, verdade, justiça e misericórdia.

No Novo Testamento, a palavra gratidão(eucharistia = ações de graças) se reserva quase exclusivamente para ações de graças dirigidas a Deus (Rm 1.8; 2 Co 1.11; Ef 1.15-16; Cl 2.7; lTm 2.1). Somente três vezes é usada para agradecimentos dirigidos a homens (Lc 17.16; At 24.3; Rm 16.4).

A gratidão é um mandamento divino: "…sede agradecidos" (Cl 3.15). Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco (1 Ts 5.18). Demonstrar gratidão a Deus é um elemento básico e duradouro da vida cristã: "…dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo…" (Ef 5.20). Uma vida cheia de gratidão é o estilo de viver do cristão, um inverso da vida sem Deus: "…antes, pelo contrário, ações de graças" (Ef 5.4).

2. PRINCÍPIOS BÍBLICOS SOBRE GRATIDÃO E INGRATIDÃO

Em Lucas 17.11-19, temos um exemplo de como as pessoas reagem após receber os benefícios de Deus. Dez leprosos foram curados por Jesus e apenas um voltou para agradecê-Lo.

2.1. Muitos são abençoados, mas poucos são os agradecidos

É importante salientar as atitudes daquele único leproso que voltou para agradecer: Um dos dez, vendo que fora curado, voltou, dando glória a Deus em alta voz, e prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus, agradecendo-lhe; e este era samaritano (Lc 17.15-16). Observe a ênfase: Um dos dez… Significa que poucos são aqueles que agradecem a Deus pelas bênçãos recebidas. Quantitativamente 10% apenas.

Após ser provado de forma angustiante, o rei Davi recebeu a libertação de Deus: Pois livraste da morte a minha alma, das lágrimas, os meus olhos, da queda, os meus pés (Sl.116.8).

E a grande questão que inquiria a sua mente e que ardia em seu peito era: “Que darei ao Senhor por todos os seus benefícios para comigo?” (SI. 116.12). Eu sugiro três respostas: reconheça que Deus é a fonte de todas as bênçãos que você tem recebido; agradeça e adore a Deus por todos esses benefícios; proclame e testemunhe aos outros o que Deus tem feito em sua vida.

2.2. A gratidão é a memória do coração

Quem recebe um favor ou uma bênção não deve se esquecer da fonte. Precisamos tomar cuidado para não esquecermos que Deus é a causa do nosso sucesso: Não digas, pois, no teu coração: A minha força e o poder do meu braço me adquiriram estas riquezas. Antes, te lembrarás do Senhor, teu Deus, porque é ele o que te dá força para adquirires riquezas; para confirmara sua aliança, que, sob juramento, prometeu a teus pais, como hoje se vê (Dt 8.17-18). Agradecer é lembrar-se!

"Vendo que fora curado…" (Lc 17.15), o leproso constatou que o milagre tinha acontecido por intervenção divina. "Voltou, dando glória a Deus em alta voz." É interessante observar que aquele ex-leproso concentrou-se mais no autor do milagre do que no milagre em si. Ele glorifica a Deus, fonte de todas as bênçãos. Antes de festejar os resultados do milagre, festejou aquele que fez o milagre, numa atitude efusiva e sincera de gratidão "EM ALTA VOZ …" (PHONES MEGALES). Alem de falar em alta voz prostrou-se diante de Jesus, numa atitude de adoração.

2.3. Deus avalia as nossas atitudes de gratidão ou ingratidão

Jesus exclama com surpresa: "…Não eram dez os que foram curados? Onde estão os nove? Não houve, porventura, quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro?" (Lc 17.17-18). Deus não precisa da nossa gratidão para continuar sendo o que é. Ele não nos abençoa dependendo da nossa retribuição, contudo, como Pai, observa a nossa conduta.

Jesus focalizou três aspectos, na avaliação dos dez leprosos curados: a) a quantidade de ingratos é maior do que o número dos agradecidos; b) o objetivo da cura foi promover a glória de Deus; c) e o samaritano, que era o menos favorecido, foi quem expressou maior gratidão.

2.4. A gratidão possibilita maiores bênçãos

Os dez leprosos foram curados fisicamente. Apenas um recebeu a bênção completa: aquele que voltou para agradecer. E disse-lhe: Levanta-te e vai; a tua fé te salvou (Lc 17.19). Diferentemente dos outros nove, esse homem não foi curado apenas fisicamente, mas também a sua alma foi curada. Ele recebeu a salvação da alma porque voltou para agradecer.

Os nove ex-leprosos voltaram para suas casas curados apenas fisicamente. Observe que há dois tipos de fé: fé para receber bênçãos materiais e fé salvadora para receber a salvação da alma. Há dois tipos de salvação: salvação de doenças físicas e salvação da alma (Lc 12.15; Jo 3.16, 18; Ef 2.8-9; Hb 11.6).

Quem agradece por pequenos favores, possibilita o recebimento de novos e maiores favores.

CONCLUSÃO

Caso você tenha sido alvo de ingratidão, não permita que isso crie amargura em seu coração. Aplique três princípios da Palavra de Deus em sua vida:

1. DEUS NÃO É INJUSTO

Tudo que você fizer por amor aos outros terá a recompensa de Deus. Porque Deus não é injusto para ficar esquecido do vosso trabalho e do amor que evidenciastes para com o seu nome, pois serviste e ainda servis aos santos (Hb 6.10). Ainda que você seja alvo da ingratidão de pessoas, Deus o recompensará (Cl 3.23).

2. FAÇA O BEM SEM ESPERAR EM TROCA, A GRATIDÃO.

Faça o bem como uma expressão de amor sem visar uma segunda intenção. Jesus nos ensina: Disse também ao que o havia convidado: Quando deres um jantar ou uma ceia, não convides os teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem vizinhos ricos; para não suceder que eles, por sua vez, te convidem e sejas recompensado. Antes, ao dares um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensar-te; a tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos (Lc 14.12-14).

3. NÃO DEIXE DE FAZER O BEM

Paulo escreve: E vós, irmãos, não vos canseis de fazer o bem (2 Ts 3.13). O fato de pessoas nos decepcionarem não deve nos desestimular à prática do bem. Lembre-se que há uma felicidade reservada para aqueles que dão, pois, mais bem-aventurado é dar do que receber.

|  Autor: Pastor Josias Moura  |  Divulgação: estudosgospel.com.br |