Procure

Pentecostes - O Cumprimento da Promessa

Atos 2.1-36


INTRODUÇÃO

Quando lemos Atos 2, Lucas nos narra um fato histórico importante: o cumprimento da promessa do Pai em enviar o seu Espírito Santo. Ele narra o que aconteceu. Dois grupos receberam o Espírito Santo naquele mesmo dia: os 120 no início e os quase 3.000 no final. Foram pessoas e experiências diferentes.

Podemos estabelecer uma delas como padrão para hoje? Se vamos estabelecer uma precisamos buscar fundamentação em outros livros da Bíblia.

1. O ESPÍRITO FOI PROMETIDO

Assim como temos várias profecias acerca da vinda do Messias, também temos promessas sobre a vinda do Espírito:

Temos as profecias da descida do Espírito Santo no Dia de Pentecostes: Is. 32.15-20; 44.2-3; 59.21; Ez. 11.18-20; 18.31; 36.26-27; 37.1-14; 39.29; Jl. 2.28; Zc. 12.10. É prometida a restauração espiritual de Israel, já incluindo os gentios, por meio do Espírito Santo, sob o reinado do Messias (Is. 11.1-10).

A ênfase de Jesus em Atos 1, é que o Espírito seria uma dádiva, e não uma conquista. Haveria um tempo de espera entre a ressurreição e a ascensão de Cristo: Da ascensão ao Pentecostes, somente 10 dias.

Alguns detalhes são interessantes:

A) O local da descida seria Jerusalém, por determinação de Jesus. (At. 1:4).

B) Jesus comissiona novamente a Igreja: "mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra" (At 1.8).

C) Os discípulos resolveram esperar em oração perseverante e unânime (At 1.13-14).

D) O Espírito veio no "tempo determinado por Deus", assim como a vinda de Jesus (Gl 4.4-6).

2. O ESPÍRITO SANTO CHEGOU

Atos 2 narra o cumprimento da promessa do Espírito Santo: “Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, corno de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem” (At 2.1-4).

2.1. Quando e onde aconteceu a descida do Espírito?

"Ao cumprir-se o dia de Pentecostes" (2.1). Essa era uma das três principais festas religiosas do povo de Israel (Êx. 23.14-19; Dt 16.16).

Estavam todos reunidos no mesmo lugar. Provavelmente, os cento e vinte (At. 1.15) estavam reunidos, e a casa ou o local onde estavam poderia ser o cenáculo (At 1.13) ou um dos salões ou salas do templo (At. 2.46; Lc. 24.53). O certo é que este local ficava em Jerusalém (At 1.4; 2.5).

A lição que aprendemos desta primeira observação é que a descida do Espírito Santo foi um fato histórico que não se repetirá, tal como o nascimento, a morte, a ressurreição e a ascensão de Jesus.

2.2. Sobre quem veio o Espírito?

O Espírito veio sobre todos os que estavam reunidos e todos foram "cheios do Espírito Santo" (At 2.4). Todos já eram crentes ou discípulos de Jesus, conforme Ele próprio testemunhou: "porque eu lhes tenho transmitido as palavras que me deste, e eles as receberam, e verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que tu me enviaste. É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que deste, porque são teus" (Jo 17.8-9).

A lição que aprendemos aqui é que os 120 que ficaram cheios do Espírito Santo, no dia do Pentecostes, não estavam sendo convertidos naquele momento. Eles tiveram o privilégio de receber o poder e a presença definitiva do Espírito.

2.3. Como aconteceu a descida do Espírito?

Foi um ato repentino: "de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles".

A vinda foi acompanhada por três sinais sobrenaturais: um som, uma visão e uma voz estranha (vento, fogo e fala).

O que significa isso? O som como de um vento: o poder e a soberania do Espírito que capacitaria a Igreja para testemunhar (Jo 3.8; At 1.8); a visão do fogo, a pureza da santificação e o fogo do juízo (Is 6.6-7; Lc 3.16); e o falar em outras línguas, que foi a capacitação do Espírito para que os judeus e gentios em Jerusalém fossem alcançados pela pregação do evangelho (At 1.5).

As línguas faladas pelos crentes no dia de Pentecostes eram "outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia", ou seja, uma habilidade sobrenatural para falar línguas reconhecíveis ou sistematizadas (At 2.4, 6, 8, 11). Era uma declaração pública e inteligível dos milagres de Deus. A língua como meio de comunicação do Evangelho, para a evangelização das nações.

A lição que aprendemos em Atos 2 é que o Espírito veio para inaugurar a nova era espiritual, na qual o Evangelho seria pregado a todas as nações. É o que prometiam todas as profecias do Antigo Testamento (Is 32.15-20; 44.2-3; 59.21; Ez 11.18-20; 18.31; 36.26-27; 37.1-14; 39.29; Jl 2.28; Zc 12.10).

O Espírito veio também para ser o executivo da obra missionária. Ele revestiria a Igreja com poder para testemunhar (At 1.8).

2.4. Como a descida do Espírito foi explicada?

Pedro explicou o Pentecostes de duas maneiras:

· Primeiro, foi o cumprimento da promessa do Pai, conforme havia sido predito pelo profeta Joel (At 2.14-21; Jl 2.28-32);

· Segundo, foi uma consequência da exaltação de Jesus Cristo: Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis (At 2.33; Jo 7.39). Pedro envolve a pessoa do Pai e do Filho na descida do Espírito (Jo 14.16; 15.26).

CONCLUSÃO

Qual o significado do Pentecostes?

Martyn Lloyd-Jones ao resumir o significado do Pentecostes, diz: “O primeiro grande propósito do Pentecostes era oferecer a prova final do fato de que Jesus de Nazaré é o Filho de Deus e o Salvador do mundo. Isso é declarado. A segunda coisa é a grande Inauguração da Igreja como seu corpo; e a terceira é uma prova do fato de que essas várias pessoas que são acrescidas à Igreja são membros do corpo”.

Concluímos que o derramar do Espírito marca o início de um novo tempo: A era do Espírito, os "últimos dias", o período entre a primeira e a segunda vinda de Jesus.

O Espírito foi derramado sobre toda a carne. (At 2.17). A palavra "derramar" indica abundância e "toda a carne" significa universalidade. Todo aquele que crer em Cristo será habitado pelo Espírito Santo, independente da raça, condição social, sexo e idade. (Compare: At. 2.12; Gl. 3.28-29; 4.4-7; Ef. 1.13-14).

|  Autor: Pr. Josias Moura  |  Divulgação: estudosgospel.com.br |