Procure

O Pastor e o Mercenário


         Dois tipos de líderes na igreja do Senhor Jesus.
         Eles são muito semelhantes. Ambos cuidam de ovelhas e podem ser remunerados por isso. A simples observação de seu trabalho cotidiano pode não ser suficiente para diferenciá-los, a não ser em momentos de crise.
         O pastor ama as ovelhas. O mercenário ama o dinheiro. O pastor fará mais do que aquilo que dele se espera. O mercenário fará o mínimo possível. O bom pastor dará sua vida pelas ovelhas, se for preciso (João 10.11). O mercenário tomará a vida das ovelhas para se beneficiar.  
         É necessário que cada líder examine a si mesmo para reconhecer a qual grupo pertence. É importante que cada liderado reconheça o tipo do seu líder, pois isto terá consequências na vida de todos os envolvidos.
         Jesus disse que o mercenário foge quando o lobo vem (João 10.12-13). Então, o predador despedaça, devora e dispersa o rebanho. O falso pastor não tem condições de defender a igreja.
         O mercenário é um profissional do evangelho e só atende dentro do expediente combinado. O verdadeiro pastor também precisa de descanso e lazer, mas o falso vive para isso.
         O pastor é digno do seu salário, mas o mercenário só se esforça para aumentar os seus ganhos materiais, oprimindo as ovelhas para que contribuam sempre mais e mais, mesmo com sacrifício pessoal e familiar. Os sacrifícios são válidos, desde que sejam voluntários, feitos por amor, e não por força de ameaças ou promessas ilusórias.
         O mercenário é “movido a dinheiro”. Para alcançar seus objetivos financeiros, torce as Sagradas Escrituras, colocando o assunto monetário onde ele não existe. Para isso, mata a hermenêutica, esquece a ética e despreza outros temas que seriam imprescindíveis à saúde do rebanho.
         Os verdadeiros pastores, que já provaram seu amor pelas ovelhas, são merecedores de honra. A igreja deve valorizá-los, amá-los, orar por eles e ser submissa dentro dos parâmetros bíblicos.
         O questionamento de qualquer ministério é, quase sempre, repreendido pela frase: “Não toqueis nos ungidos do Senhor”. Então, verdadeiros e falsos abrigam-se sob o manto do texto bíblico (ICr.16.22). Mas o falso profeta e o mercenário nunca foram ungidos pelo Senhor. Existe também o caso dos ungidos que se desviaram do caminho, como ocorreu com Saul. De fato, não se pode sair por aí condenando as pessoas, pois corre-se o risco de cortar o trigo junto com o joio. Entretanto, precisamos identificá-los, para que não sejamos suas vítimas. Se não podemos condenar as pessoas, é certo e necessário que condenemos suas falsas doutrinas. Devemos também impedi-los de propagá-las, sempre que possível, como recomendou Paulo:
 
“Porque há muitos insubordinados, faladores vãos, e enganadores, especialmente os da circuncisão, aos quais é preciso tapar a boca; porque transtornam casas inteiras ensinando o que não convém, por torpe ganância” (Tito 1.10-11).

         Jesus disse que deveríamos identificá-los:
 
“Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos”? (Mt.7.15-16).

         Que frutos seriam esses? Atitudes, comportamentos, modo de vida, conforme a lista de requisitos que Paulo apresentou a Tito (1.5-8) e a Timóteo (ITm.3.1-13). Doutrinas estranhas podem ser a ponta do iceberg, mas é bom que se observe como o líder se comporta em relação ao sexo, dinheiro e poder. Por estas três coisas, muitos verdadeiros servos do Senhor caíram com os falsos na mesma vala, encontrando grande dificuldade para sair de lá e retomar seu ministério. A infidelidade conjugal, a ganância financeira, a arrogância e corrupção pelo poder político (ou eclesiástico) têm destruído muitas vidas.
         Poderíamos identificar os falsos líderes por suas mensagens, mas isto não é simples. O falso pode repetir muitas verdades bíblicas, encobrindo a heresia por muito tempo. Então sua identificação pode ser difícil. A respeito deles, o apóstolo escreveu:
 
“Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. E muitos seguirão as suas dissoluções, e por causa deles será blasfemado o caminho da verdade; também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio; a condenação dos quais já de largo tempo não tarda e a sua destruição não dormita... Tendo os olhos cheios de adultério e insaciáveis no pecar; engodando as almas inconstantes, tendo um coração exercitado na ganância, filhos de maldição” (IIPd.3.1,2,3,14).

         O modo de vida, portanto, pode ser um termômetro mais eficaz do que o discurso.
         Existe algo muito importante que mercenários e verdadeiros pastores têm em comum: as ovelhas não lhes pertencem. O dono do rebanho é o Senhor Jesus, o Sumo-Pastor (IPd.5.1-4). Quando ele voltar, exigirá a prestação de contas daqueles que cuidaram de sua igreja (Heb.13.17). Ele perguntará pelas ovelhas maltratadas, feridas, esquecidas, desgarradas e perdidas (Ez.34.10). São aquelas que deixaram a congregação porque não foram socorridas; não foram amadas. Outras tantas se perderam por motivos diversos, mas não foram procuradas nem resgatadas.
         Aqueles que são fiéis no cuidado das ovelhas serão honrados pelo Senhor. Seu galardão está reservado nos céus, onde ninguém poderá tomá-lo. Aqueles que serviram com fidelidade, apascentando os cordeiros do Pai, ainda que com dor e lágrimas, serão recompensados na glória celestial.

Autor: Anísio Renato de Andrade