Procure

Habacuque - Um Líder Visionário


A palavra-chave da mensagem de Habacuque é "visão". O termo deriva-se do hebraico hizzayon, que significa "sonho", "visão" ou "revelação". Aqui, trata-se de visões concedidas por Deus, que nos permitem ter uma clara e real percepção e compreensão da condição e realidade: presente e futura, visível e invisível, horizontal e vertical. Observemos, dessa forma, com base nas visões de Habacuque, as condições ou caminhos para um genuíno avivamento.

TER UMA VISÃO DA NOSSA PRÓPRIA CONDIÇÃO E REALIDADE PRESENTE ENQUANTO POVO DE DEUS

"O peso que viu o profeta Habacuque. Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritarei: Violência! E não salvarás? Por que razão me fazes ver a iniquidade e ver a vexação? Porque a destruição e a violência estão diante de mim; há também quem suscite a contenda e o litígio. Por esta causa, a lei se afrouxa, e a sentença nunca sai; porque o ímpio cerca o justo, e sai o juízo pervertido." (Hc 1.1-4)

Habacuque nos revela a condição moral e espiritual na qual se encontrava o povo de Deus, marcada pelas seguintes práticas:

- Violência. A violência não se manifesta única e necessariamente na forma de agressão física ou verbal. A violência se revela na opressão e na exploração ao próximo, na falta de respeito e reconhecimento de sua dignidade. A violência nem sempre é histérica e alarmante. Há muita violência acontecendo de forma silenciosa e discreta. O termo hebraico para violência é hamas, que implica em injustiça, ganho injusto, crueldade, dano, falsa, agravo, afronta. A sequência do texto de Habacuque é mais específica quanto ao tipo de violência então praticada.

- Iniquidade. Aqui a ênfase está no vazio (hb. 'awen), na futilidade da vida, em palavras ditas e em ações praticadas que não levam a nada, quem não produzem nada e que não servem para nada. Palavras e ações vazias de sentido e propósito, são claras manifestações de vidas vazias de sentido e de propósito. Em sua visão, Habacuque contemplou dolorosamente um povo vazio, por esse povo estar vazio de Deus.

- Contenda e litígio. Quando a violência e o vazio de Deus (que consequentemente torna a vida sem sentido e propósito) estão presentes, a contenda torna-se algo rotineiro. Pessoas violentas e vazias são especialistas em provocar litígios, brigas, facções, discórdias, discussões e disputas (hb. ribh). Quanto estamos vazios de Deus, brigamos e entramos em disputas por direito de posse de coisas que não nos pertence, e de posições, títulos e cargos para os quais não fomos vocacionados, preparados, nem chamados por Deus para tê-los ou ocupá-los.

- Injustiça caracterizada pela parcialidade nos julgamentos e pela perversão das sentenças. Habacuque viu o enfraquecimento e a frouxidão (hb. pugh) da justiça e do direito, a interpretação perniciosa da lei (hb. torah), e sentença (hb. mispat) adiada ou pervertida. Nestas condições, só os grandes, os poderosos, os ricos e influentes se beneficiam do sistema judiciário. Para o pobre e oprimido resta aguardar a justiça divina, que por sinal nunca falha.

A violência ao próximo é sempre um ato de violência contra nós mesmos. Quando agimos violentamente contra o outro, violentamos a nossa própria consciência, determinando assim a nossa autodestruição integral. Praticamos violência a nós mesmos, quando conscientes ou entorpecidos por nossa insensatez e loucura, nos privamos da presença, da direção e da bênção de Deus.

TER UMA VISÃO FUTURA DE CURA, RESTAURAÇÃO, RENOVAÇÃO E RESSURREIÇÃO RESULTANTE DA INTERVENÇÃO DE DEUS NA HISTÓRIA

"Vede entre as nações, e olhai, e maravilhai-vos, e admirai-vos; porque realizo, em vossos dias, uma obra, que vós não crereis, quando vos for contada." (Hc 1.5)

O Senhor afirma que fará algo grande. Acontece que o processo de cura, restauração, renovação e ressurreição é por vezes doloroso. A disciplina que vem de Deus, apesar de por um momento suscitar dor, está fundamentada em seu amor. Deus nos ama, por isso nos corrige (Hb 12.5-11). As obras ou ações de Deus nos maravilham porque nos surpreendem. Os seus caminhos, nem sempre são aqueles que imaginamos. Deus nem sempre segue a lógica humana.

Além da declaração de que realizará, Ele deixa especificado o tempo. A coisa aconteceria nos dias dos contemporâneos de Habacuque. Eles sofreriam a disciplina e a correção pedagógica, necessárias para o arrependimento, quebrantamento e obediência:

"Então, o SENHOR me respondeu e disse: Escreve a visão e torna-a bem legível sobre tábuas, para que a possa ler o que correndo passa. Porque a visão é ainda para o tempo determinado, e até ao fim falará, e não mentirá; se tardar, espera-o, porque certamente virá, não tardará." (Hc 2.2-3)

Os caminhos de Deus podem ocasionalmente promover em nós dúvidas, e certa confusão mental. Ficamos sem entender, sem compreender, sem alcançar. É nesse momento que precisamos descansar e confiar que "[...] o justo, pela sua fé, viverá." (Hc 2.4b). O justo não questiona o Senhor. Apenas crê, espera, confia.

Na experiência visionária, não apenas os meios no processo de avivamento são conhecidos, os resultados são também revelados: "Porque a terra se encherá do conhecimento da glória do SENHOR, como as águas cobrem o mar." (Hc 2.14).

Uma inundação do conhecimento (hb. yadha') da glória (hb. kabhodh) do Senhor sobre a terra é prevista. Não apenas um novo saber sobre Deus, ou uma nova forma de contemplação, mas, um novo e amplo relacionamento com Ele será possível, e isso resultará em seu louvor: "Deus veio de Temã, e o Santo, do monte de Parã. (Selá) A sua glória cobriu os céus, e a terra encheu-se do seu louvor." (Hc 3.3)

Quando somos contemplados por visões, e quando ouvimos coisas semelhantes àquelas ouvidas por Habacuque, algumas reações e atitudes são esperadas:

"Oração do profeta Habacuque sob a forma de canto. Ouvi, SENHOR, a tua palavra e temi; aviva, ó SENHOR, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos a notifica; na ira lembra-te da misericórdia." (Hc 3.1-2)

A primeira delas, identificada no texto acima, é o temor, a reverência e o respeito pela pessoa e pela palavra de Deus. Não apenas tememos, mas, também, trememos: "Ouvindo-o eu, o meu ventre se comoveu, à sua voz tremeram os meus lábios; entrou a podridão nos meus ossos, e estremeci dentro de mim;" (Hc 3.16a). Tal temor e tremor não produz medo, antes, produz oração, música e canto.

Uma outra atitude esperada é o clamor pelo cumprimento da sua palavra, do seu projeto, do seu querer: "[...] aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos a notifica;" (Hc 3.2b). Quando clamamos por um avivamento estamos pedindo que o Senhor, mediante a sua intervenção na história e em nossa vida, nos sare, renove e vivifique (hb. hayah), de maneira que essa restauração se torne visível e notória em nós.

TER UMA VISÃO DOS ATRIBUTOS TRANSCENDENTES E IMANENTES DE DEUS

A experiência visionária de Habacuque não lhe proporciona apenas uma visão clara da realidade presente. Não se limita ao conhecimento dos acontecimentos futuros. Ele é alcançado com uma visão de Deus e sobre Deus.

Habacuque pôde contemplar e conhecer a santidade de Deus:

"Não és tu desde sempre, ó SENHOR, meu Deus, meu Santo? Nós não morreremos. Ó SENHOR, para juízo o puseste, e tu, ó Rocha, o fundaste para castigar. Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal e a vexação não podes contemplar; por que, pois, olhas para os que procedem aleivosamente e te calas quando o ímpio devora aquele que é mais justo do que ele?" (Hc 1.12-13)

Separado de todo o mal, puro em tudo, Deus é inerentemente, integralmente, plenamente e absolutamente santo (hb. qadhosh). (Sl 22.3; Hc 3.3a; Is 6.3; 1 Pe 1.13-16).

Habacuque pôde contemplar e conhecer a majestade de Deus: "Mas o SENHOR está no seu santo templo; cale-se diante dele toda a terra." (Hc 2.20). Ele é o Rei de toda a terra:

"[Salmo para o cantor-mor, entre os filhos de Corá] Aplaudi com as mãos, todos os povos; cantai a Deus com voz de triunfo. Porque o SENHOR Altíssimo é tremendo e Rei grande sobre toda a terra. Ele nos submeterá os povos e porá as nações debaixo dos nossos pés. Escolherá para nós a nossa herança, a glória de Jacó, a quem amou. (Selá) Deus subiu com júbilo, o SENHOR subiu ao som da trombeta. Cantai louvores a Deus, cantai louvores; cantai louvores ao nosso Rei, cantai louvores. Pois Deus é o Rei de toda a terra; cantai louvores com inteligência. Deus reina sobre as nações; Deus se assenta sobre o trono da sua santidade." (Sl 47.1-8).

Isaias contemplou magnificamente a majestade do Senhor: "No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi ao Senhor assentado sobre um alto e sublime trono; e o seu séquito enchia o templo. Os serafins estavam acima dele; cada um tinha seis asas: com duas cobriam o rosto, e com duas cobriam os pés, e com duas voavam." (Is 6.1-2).

Ele é o Rei da glória!

Habacuque pôde contemplar e conhecer a justiça e bondade de Deus: "[...] na ira, lembra-te da misericórdia." (Hc 3.2c). O salmista Davi é enfático e confiante: "Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR por longos dias." (Sl 23.6)

Deus é justo e bom. Com a sua justiça Ele nos corrige, e com sua bondade nos restaura: "Bom e reto é o SENHOR; pelo que ensinará o caminho aos pecadores." (Sl 25.8).

Habacuque pôde contemplar e conhecer a verdade e a fidelidade de Deus: "Porque a visão é ainda para o tempo determinado, e até ao fim falará, e não mentirá; se tardar, espera-o, porque certamente virá, não tardará." (Hc 2.3). É impossível que Deus minta (Hb 6.18). A verdade vai adiante dele: "Justiça e juízo são a base do teu trono; misericórdia e verdade vão adiante do teu rosto." (Sl 89.14).

Quando tais conhecimentos sobre Deus se manifestam, além das atitudes aqui já expostas, só nos resta cairmos com a nossa face ao chão, e adorá-lo. Não importa se entendemos ou deixamos de entender o seu agir, não importa a escassez ou a abundância, os ganhos ou as perdas:

"Porquanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas, todavia, eu me alegrarei no SENHOR, exultarei no Deus da minha salvação. JEOVÁ, o Senhor, é minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas. (Para o cantor-mor sobre os meus instrumentos de música.)" (Hc 3.17-19)

Se a nossa visão fica apenas na dimensão do aqui e agora, e não percebe em Deus as possibilidades futuras, desmaiaremos em nosso desespero e desesperança. Por isso, juntamente com a possibilidade de discernir a realidade presente, de enxergar as coisas como as coisas são, Deus nos oportuniza vislumbrar um futuro de glória, onde a sua vontade prevalecerá, e o seu nome será glorificado.

Aleluia!

Autor: Pr Altair Germano
www.altairgermano.net