Procure

Você já pensou no céu como uma cidade?


No relato do apóstolo João sobre a nova terra, em Apocalipse 21-22, atenção especial é dada para a Nova Jerusalém, a capital do céu eterno. Quase metade de Apocalipse 21 é dedicada a descrever as propriedades físicas da magnífica metrópole. Seu glorioso esplendor será o coração da nova terra, porque é aqui que o próprio Deus habita.

Cristãos raramente pensam no céu como uma cidade, e é precisamente assim que Deus o descreve (Hb 11.16;. Cf João 14.2). As cidades têm prédios, ruas, casas e cidadãos. São lugares de poder político, indústria econômica, ensino superior, cultura refinada e uma arquitetura impressionante. Essas também são características autênticas da cidade celestial, embora a Nova Jerusalém supere em muito qualquer cidade terrena, tanto em magnificência quanto em poder.

O fato de cada uma das principais sociedades na terra se organizarem em cidades é um indicativo da maneira como Deus projetou os seres humanos. Ele os criou para funcionar em comunidade com outras pessoas. Não é surpreendente, então, aprender que a vida na nova terra será centrada em torno de um grande município. Como John MacArthur explica: “O conceito de uma cidade inclui relacionamentos, atividade, responsabilidade, união, socialização, comunhão e cooperação. Ao contrário das más cidades da terra atual, as pessoas perfeitamente santas da nova Jerusalém viverão e trabalharão juntas em perfeita harmonia” (Revelation  12-22, 264).

Em contraste com a cidade meretriz da Babilônia (destruída em Apocalipse 18), a santa cidade  Nova Jerusalém é livre do julgamento de Deus (21.9). É o lar dos remidos e a noiva do Cordeiro (21.2). Também é um reino caracterizado pela glória e a presença de Deus (v. 11). Como um prisma gigante, a glória de Deus iluminando por toda parte, a Nova Jerusalém vai iluminar inteiramente o novo universo.

Ao contrário das cidades sujas e cheias de fumaça deste mundo, a Nova Jerusalém brilha como uma joia enorme, uma vez que desce do céu para a terra nova. A palavra grega traduzida “jasper” em Apocalipse 21.11 não se refere necessariamente à joia jaspe real, que possui uma tonalidade avermelhada ou acastanhada. Pelo contrário, é um termo geral que pode fazer referência a qualquer tipo de pedra preciosa. A descrição a seguir, “claro como cristal”, sugere que João está descrevendo um diamante. Assim, a Nova Jerusalém desce do céu para a Nova Terra como uma joia da cravejada coroa do céu. A imagem de uma coroa celestial é apropriada porque, como Apocalipse 22.2-5 descreve, é a sala do trono do próprio Deus.

De acordo com Apocalipse 21.15-17, as medidas da Nova Jerusalém são imensas, cerca de 2.400 quilômetros de comprimento em cada lado. A título de ilustração, se um canto da cidade fosse colocada em Los Angeles, um segundo canto estaria na Cidade do México, um terceiro em St. Louis, Missouri, e o canto final em Edmonton, Canadá. Se o centro da Nova Jerusalém for onde a Jerusalém atual está, ela se estenderá por três continentes, da Grécia ao Irã, para a Arábia Saudita até a Líbia. A atual cidade de Los Angeles tem uma área de  1200 quilômetros quadrados. O estado da Califórnia é composto por cerca de 423 mil km². Mas a Nova Jerusalém vai abranger mais de cinco milhões de quilômetros quadrados. Isso é o equivalente a 14 estados da Califórnia juntos, ou 4.807 cidades de Los Angeles.

Mas a Nova Jerusalém não é apenas um quadrado grande. É um cubo. As montanhas mais altas do mundo tem cerca de 8 quilômetros de altura, mas a Nova Jerusalém vai até 2.400 km, com paredes de mais de 60 metros de espessura. A enorme cidade abriga um volume total de mais de 12 bilhões de quilômetros cúbicos. À luz da imensidão da cidade, alguns comentaristas especulam que os corpos ressuscitados dos redimidos não estarão sujeitos à gravidade. Se assim for, os moradores de Nova Jerusalém seriam capazes de atravessar o espaço não apenas horizontalmente, mas também verticalmente, fazendo com que cada parte deste glorioso cubo seja habitável e acessível aos cidadãos da Nova Jerusalém.

Mas há mais do que apenas informações sobre suas enormes dimensões. O arranjo específico dos três portões de cada lado da cidade, nos versículos 13-14, aponta para a forma como as doze tribos de Israel estavam acampadas em torno do tabernáculo (cf. Nm 2.1-31) e também para o arranjo das portas da Jerusalém milenar (cf. Ezequiel 48.30 – 35). Além disso, as dimensões em forma de cubo da Nova Jerusalém remontam ao Santo dos Santos. Como Mark Dever explica,

Qualquer cristão que conheça o Antigo Testamento sabe que a visão de João remonta ao Santo dos Santos. Esse lugar especial dentro do templo de Israel era em si um cubo perfeito e a localização mais evidente da presença de Deus na terra. Agora, nesta cidade em forma de cubo celeste, Deus e Sua presença sem mediação é dada a todo o seu povo. O mundo inteiro torna-se o templo. (A Mensagem do Antigo Testamento, 39)

Em Apocalipse 21.22, o apóstolo João transita de uma descrição externa da Nova Jerusalém para um interna. Tendo estabelecido as dimensões físicas da cidade capital, com paralelos significativos com o Santo dos Santos, ele começa a descrever a adoração e a atividade que caracteriza aqueles que estão no interior. Ele concentra sua atenção principalmente sobre o fato de que o Deus Triuno estará pessoalmente presente lá. Como resultado, não haverá necessidade de um templo porque Deus e o Cordeiro são o templo (v. 22).

Os redimidos viverão para sempre com o Senhor em adoração e comunhão íntima, não precisarão de uma cortina para separá-los de Sua presença santa, porque eles serão perfeitos assim como Ele é perfeito (cf. 1 João 3.2). Acima de tudo, é a presença pessoal de Deus que define a nova terra como o céu (Ap 21.3). Não é o céu porque é belo e glorioso ou porque os santos de todas as eras estarão lá ou porque os anjos elevarão suas vozes em hinos de louvor magníficos. Pelo contrário, só é o céu porque o Deus Uno e Trino fará dela sua morada. Nas palavras de D.L. Moody, “Não são as paredes de jaspe e as portas de pérolas que vão fazer o céu atraente. É estar com Deus”. No céu, os remidos se reunirão com seu Redentor!

Passar a eternidade com Ele em perfeita comunhão, adoração, e serviço é o que faz a eternidade tão gloriosa. Sua presença é a essência de Deus. Charles Spurgeon comoventemente expressa esta realidade com as sguintes palavras:

Oh, pensar no céu sem Cristo! É a mesma coisa que pensar no inferno. Céu sem Cristo! É dia sem o sol, existência sem vida, festa sem comida, enxergar sem luz. Trata-se de uma contradição em termos. Céu sem Cristo! Absurdo. É o mar sem água, a terra sem seus campos, o céu sem suas estrelas. Não pode haver um céu sem Cristo. Ele é a soma total de felicidade, a fonte da qual flui o céu, o elemento de que o céu é composto. Cristo é o céu e o céu é Cristo.

| Autor: Nathan Busenitz | Divulgação: estudosgospel.Com.BR |