Procure

Em Efésios 6.16 Paulo cita uma das mais poderosas armas de Deus que é o escudo da fé e uma das mais terríveis armas de Satanás contra nós que são os dardos inflamados. Veremos detalhadamente esse assunto, o qual é de suma importância para nosso crescimento como servos de Deus. Comecemos com as seguintes perguntas: que dardos são esses que Paulo menciona? Como o inimigo lança tais dardos?
A Palavra do Senhor é clara em enfatizar que não é fácil seguir a Cristo. Vivemos em um mundo que nos odeia devido ao amor de Jesus e porque somos escolhidos para uma vida plena ao Seu lado. Servir a Deus e seguí-Lo implica em conhecermos que seremos perseguidos, afrontados e enfrentaremos verdadeiras batalhas até alcançarmos a redenção completa no céu.
O resultado da batalha espiritual, removendo totalmente a influencia demoníaca de uma vida ou de um território, e a preenchendo com a presença de Jesus, o libertador é a verdadeira libertação. Observe em seu coração se você tem vivido uma 'religiosidade' para um deus imóvel, ou tem mantido uma comunhão com um Deus vivo e ativo, que te ama e espera um relacionamento sincero.
Na vida de um cristão além da diária luta material, ou seja no 'mundo' físico; há uma luta espiritual. Temos batalhas que são travadas no reino espiritual, num ambiente invisível, às vezes silencioso, mas real. Nessa batalha espiritual o crente necessita de armas e armaduras. Sem as quais é impossível estamos firmes contra o ataque do diabo e é por isso que somos atingidos.
Infelizmente, os ensinamentos atuais da grande doutrina da batalha espiritual têm induzido os crentes a se concentrar quase que exclusivamente em batalhas com Satanás e os demônios. A Bíblia comunica claramente que a guerra espiritual acontece simultaneamente em três frentes de combate - o diabo, o mundo e a carne.
Cativeiros espirituais são locais onde demônios aprisionam fragmentos de nossa alma, impedindo que o sucesso nos alcance em várias áreas, tanto do corpo, quanto da alma ou do espírito. JESUS veio para libertar os cativos de cativeiros espirituais.
Vida cristã não é colônia de férias, mas campo de batalha. Quem não é um guerreiro é uma vítima. Nesta luta ninguém pode ficar neutro. Trata-se de uma guerra espiritual. E contra quem é nossa luta? Quem é o nosso maior inimigo?
Com queda de Adão e Eva a morte entrou no mundo e alcançou a humanidade toda. Assim, durante toda a história humana o inimigo tem oprimido o homem na batalha do mal contra o bem, e só culminará no dia já determinado por Deus.
'Naquele dia o Livro de Moisés foi lido em alta voz diante do povo, e nele achou-se escrito que nenhum amonita ou moabita jamais poderia ser admitido ao povo de Deus, pois eles, em vez de darem água e comida aos israelitas, tinham contratado Balaão para invocar maldição sobre eles O nosso Deus, porém, transformou maldição em bênção'. (Ne 13:1-2)
'Eis que, hoje, eu ponho diante de vós a bênção e a maldição: A bênção, quando cumprirdes os mandamentos do Senhor, vosso Deus, que hoje vos ordeno; A maldição, se não ouvirdes os mandamentos do Senhor vosso Deus, e vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que não conhecestes'. (Dt 11.26- 28) 
São aqueles que estão na linha de frente, basicamente no corpo a corpo com o inimigo: destituindo potestades, expulsando demônios, invadindo pessoalmente o território do inimigo, pisando neste território e tomando posse em nome do grande general – Jeová Shabaot
Por conflito global, podemos entender que a guerra espiritual não somente está voltado a um aspecto terreno, mas também envolve as regiões celestiais, ou seja, o universo criado.