Procure

Estudo Bíblico As Duas Testemunhas do Apocalipse


"E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por 1.260 dias, vestidas de saco. Estas são as duas oliveiras e os dois candeeiros que estão diante do Senhor de a terra. Se alguém tentar prejudicá-los, o fogo vem da sua boca e devora os seus inimigos. " Apocalipse 11:3-5. Ler todo capitulo

Para identificar corretamente as duas testemunhas de Apocalipse 11, é preciso deixarmos a música do Velho Testamento tocar como pano de fundo em nossas mentes. Não devemos tentar traçar paralelos exatos entre a imagens apocalípticas e suas referências do Antigo Testamento, nem tentar pressionar o sistema de linguagem do Apocalipse em um labirinto literal.

As duas testemunhas são uma referência metafórica a Moisés e Elias. No Antigo Testamento era necessário pelo menos duas testemunhas para condenação por crime (Deuteronômio 19:15), e, neste caso, as duas testemunhas acusam Israel de apostasia. As imagens também remontam a uma passagem do Antigo Testamento em que Zacarias vê duas oliveiras à direita e à esquerda de um candelabro que simbolizam "os dois que são ungidos para servir ao Senhor de toda a terra" (Zacarias 4:14). Ler todo capitulo

Zacarias identificou as duas testemunhas como Zorobabel, governador de Judá, que voltou a Jerusalém para estabelecer as bases de um segundo templo, e Josué, o sumo sacerdote encarregado de presidir o seu altar. Em Apocalipse esse imaginário é investido em duas testemunhas que presidem o julgamento e a destruição de Jerusalém e do Segundo Templo. Como Moisés, as testemunhas têm o poder de transformar água em sangue. E como Elias eles têm o poder de fazer descer fogo do céu para consumir os seus inimigos e para fechar o céu para que não chova durante três anos e meio (1 Reis 17, Lucas 4:25).

Além disso, a missão das duas testemunhas pode ser corretamente identificada com a pessoa e a obra de Jesus Cristo. Jerusalém é a mesma cidade em que o Senhor foi crucificado. A cidade é chamada de Sodoma na medida em que simboliza a maldade humana e a ira divina, e Egito, em que é emblemático da escravidão de que só Jesus Cristo pode libertar. A ressurreição de Jesus depois de três dias e meio e seu ministério de três anos e meio como Messias o identificam claramente como uma das testemunhas.

A descrição destas testemunhas como "vestidas de saco" (Apocalipse 11:03) identifica-os com a tradição de profetas hebreus de Elias a João Batista, que usavam sacos de luto sobre a apostasia de Israel (por exemplo, 2 Reis 1:08; Isaías 20:02, Mateus 03:04). Como tal, as duas testemunhas formam uma imagem composta da Lei e dos Profetas, Antiga e nova Aliança culminando com a vida, morte, ressurreição e ascensão de um Profeta e Sacerdote, que é o penhor de todos os que são suas testemunhas e que reinarão com Ele em um Nova Jerusalém onde habita a justiça.

As duas testemunhas são reveladas não como duas pessoas literais, futura reencarnação de Moisés e Elias (Deus condena essa crença), mas sim como personagens literários na narrativa apocalíptica de João representando toda a linha de profetas hebreus (até João Batista) em testemunho contra o pecado e abandono da fé e obediência a Deus.

Maranata Senhor Jesus!

| Autor: Hank Hanegraaff | | Tradutor: Wilma Rejane |
| Divulgação: EstudosGospel.Com.BR |